Pular para o conteúdo principal

Naqueles dias



Eu cantava desafinada umas canções da Elis. E reclamava das minhas meias que cê roubava e sempre devolvia sem par. Você passava os domingos com a cabeça apoiada no meu colo enquanto a gente via um filme atrás do outro porque a gente meio que não gostava de existir em domingos. E eu passava os dedos pelos seus cabelos e pensava que eu tinha tudo que eu precisava bem ali: casa, comida, contas pagas e amor.

Toda terça, a gente gostava de jantar fora porque era meu dia de folga e o dia que você chegava mais cedo do trabalho. A gente conheceu uma lista enorme de restaurantes badalados nas terças - o que era ótimo, porque eles sempre estavam mais vazios e eram mais baratos do que nos fins de semana.

A cada quinze dias, a gente visitava sua mãe no interior. E ela me abraçava e me dizia como eu tinha virado uma filha também. Eu lembro de sentir um pouco menos de saudade da minha mãe dentro do abraço da sua. Você ria olhando nós duas ali e dizia que nós éramos as mulheres da sua vida.

Toda sexta, eu comprava uma garrafa de vinho no caminho pra casa. E a gente a bebia antes de se arrumar pra sair. Você me abraçava e me jogava na cama e me perguntava pela milésima vez por que a gente não ficava em casa e deixava o mundo pra lá. Em muitas sextas, a gente deixou.

Você me mandava mensagens no meio das segundas. Ei, já tô com saudade, escrevia. E eu sorria. Porque você tinha esse jeito só seu de animar o dia que eu mais odiava na semana. As segundas eram mais fáceis quando eu tinha você.

Eu corria pela casa porque você queria me fazer cócegas. E inventava de tentar fazer alguma receita exótica que tinha visto outro dia na internet. Você me convencia a ver pela décima vez o seu filme favorito - porque dessa vez eu não podia dormir (mas eu sempre dormia). A gente andava de mãos dadas na Paulista e se enfiava numas baladas estranhas na Augusta. Pelo menos uma vez por mês, eu te convencia a ir num karokê lá na Liberdade - e você dizia que não ia cantar de jeito nenhum. Não sei se por diversão ou por amor, naqueles dias você sempre cantava.

Naqueles dias, eu achei que amor não acabava. 



Comentários

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …