Pular para o conteúdo principal

Um passo de cada vez

Eu tenho medo, sabe?! Às vezes eu tenho um medo danado da vida. Tenho sempre uma lista de coisas que eu gostaria de fazer não fossem esses “e se...” na minha cabeça; as pequenas paranoias que me deixam com um pé atrás e uma hesitação quase constante. A preocupação com tudo que pode acontecer se der errado; as consequências.

Não temo por mim. Só pela imagem que construíram. Família. Amigos. As pessoas que importam. Eu odiaria partir o coração deles. Mas, de vez em quando, eu me pergunto se não estou partindo o meu no processo, se não estou perdendo quem sou na tentativa inútil de corresponder a uma ou outra expectativa.

O que há com isso, afinal? Parece tão covarde que, de tempos em tempos, tenho vontade de me dar uns beliscões para ver se acordo. Quando é que eu me tornei a pessoa que esconde dos olhos quem realmente é? Ou, talvez, eu ainda não tenha certeza de quem é essa pessoa. Sei que as escolhas que fiz ao longo da vida, nem sempre teriam me deixado orgulhosa. A parte engraçada é que hoje eu sorrio ao pensar em tudo que me aconteceu nos momentos em que permiti ser eu mesma. Não pelos outros, mas, por mim.

Eu só queria que essa sensação de liberdade, que me abraça tão ternamente às vezes, fosse rotina. Talvez, então, eu não passasse tanto tempo pensando no que aconteceria se. Talvez eu parasse com “talvez” e me desse um pouco mais de certezas. Ou quebrasse a cara. Não sei.


Na verdade, pensar sobre o futuro me assusta. Então, ao menos por agora, posso ficar com “um passo de cada vez”?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…