Pular para o conteúdo principal

Então, deixa eu te contar: mudar é bom

Há uns anos, eu escrevi um texto e ele foi publicado em um site grande. Dezenas de pessoas começaram a me seguir, elogiaram o que eu escrevi, me mandaram e-mail, compartilharam no Facebook e no Twitter. Teve gente que me criticou também, mas na época eu nem liguei muito para as críticas porque eu não via problema algum com o texto (além de um erro de português que aconteceu bem na hora da edição). Eis que o texto era justamente sobre isso: falando sobre desilusões ortográfico-amorosas. Eu tava lá me achando muito engraçada e descolada escrevendo um texto em que eu reclamava dos erros de português dos outros. 

Bacana eu. 

O texto ainda circula por aí na internet e ainda continua publicado lá no site grande (não por vontade minha, mas eu concordei com isso quando eu enviei, então né…), mas ele não tá aqui, num espaço que eu controlo. Porque é mais um dos textos que eu me arrependo de ter escrito. É, tenho alguns deles. Já escrevi uns textos machistas e babacas, e esse: com preconceito linguístico. 

Tenho vergonha dele? Sim. Mas eu sei que ele não representa mais quem eu sou. Aquela era eu com 20 anos achando que sabia tudo da vida. Me achando muito descolada e me sentindo porque tava sendo publicada pela primeira vez em um site grande. Eu mudei de lá pra cá. Hoje eu acho aquele texto babaca e preconceituoso. E eu me incomodo quando eu ainda vejo ele compartilhado por aí com meu nome embaixo. 

Se alguém pegar meus tweets antigos, talvez ache um monte de coisa que hoje eu sou completamente contra. A gente muda com os dias, os meses, os anos, as experiências que passa e as coisas que lê. Que bom, né? Que bom que a gente não permanece com a cabeça fechada como se a gente tivesse todas as respostas do mundo no auge da juventude. 

Vez em quando, eu vejo gente pegando tweet antigo de gente famosa pra criticar. Pô, gente, tweet de 2010 pra ilustrar quem a pessoa é agora? Jura? Tá, tudo bem, é verdade: tem uns e outros aí que só pioram (a gente acompanhou recentemente um cantor aí que foi bem assim, né?). Mas a maior parte das pessoas - eu tento acreditar, pelo menos - mudam. Crescem. Amadurecem e abandonam pensamentos pequenos. Então que tal se a gente julgasse menos o passado dos outros? Se a gente parar pra olhar o nosso, talvez até se assuste.

Acho, de verdade, que o problema não é ter sido babaca no passado. Todo mundo já foi na vida. Sei lá, eu admito que já ri, compartilhei ou publiquei coisa babaca nas minhas redes sociais. Acontece. Acontece também que hoje eu tento ser melhor do que quem eu era. Porque isso é tentar evoluir. 

Não tem nada de errado em mudar. Na verdade, eu desconfio é de quem continua sempre igual. 


Comentários

  1. Mudar é muito bom. Melhor ainda é ter coragem, se jogar!

    Beijos, Karine
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Também não acho legal desenterrar textos que foram escrito há tempos atrás. Pessoas mudam, para o melhor ou para o pior, mas esfregar o passado na cara de alguém não ajuda em nada. E eu sei mde que texto você fala, li ele mil vezes e,tenho que confessar, ainda gosto, acho divertido de ler (me julguem hahah).Mas acho que nada na vida deve ser levado tão a sério ou ao pé da letra, então não vejo porque se arrepender de um texto que foi escrito por diversão, e quando li não parecia que tinha a intenção de ofender alguém. Para mim foi divertido, gostoso de ler, me arrancou sorrisos, era você compartilhando uma situação com o resto do mundo. Há quem goste, há quem não goste. Mas como eu adoro tudo o que parece sincero e ao mesmo tempo engraçado: amei. Beijooos, adoro seus textos, embora não me lembre de ter comentado aqui antes hahah


    https://itiskimby.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kimberly!
      Na época, realmente o texto foi escrito por diversão, não por ser levado a sério. Por isso, nem me julgo taaaaanto. Mas aprendi também a enxergar o porquê algumas pessoas criticaram e aprendi com isso. Acho que o importante é a gente aprender, né?

      Obrigada pelo seu comentário, fico feliz que goste e acompanhe o que eu escrevo. Espero ver você aqui mais vezes.

      Beijão

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …