Pular para o conteúdo principal

Indicação da Semana: Extraordinário

"Vamos criar uma nova regra de vida...
Sempre ser um pouco mais gentil que o necessário?” 
(J.M. Barrie, citado no livro Extraordinário)

Eu demorei muito pra ler esse livro. Não sei explicar direito o porquê: eu sabia que ele seria bonito e que eu amaria. Mas sabia também, só de ler a sinopse, que eu ficaria com um nó na garganta e que me tocaria de um jeito sem igual. Acho que foi por isso que enrolei – li livros mais leves e romances New Adult enquanto isso. O livro foi ficando ali, na minha estante, de olho em mim.

Até o dia que eu estava preparada para ele.

Depois disso, Extraordinário, de R. J. Palacio, foi rápido. Foi intenso, bonito e tocante – como eu imaginei. Me fez chorar? Sim. Mas me fez sorrir também, porque foi bem mais leve do que pensei. Um daqueles livros que te entretêm, mas que também te fazem pensar, sabe? Assim que eu acabei de ler, saí recomendando pra todo mundo (e por isso tô postando sobre ele aqui).

Agora que já falei sobre a minha experiência com o livro, é hora de falar um pouquinho sobre ele:


O Extraordinário conta a história de August Pullman, o Auggie, um garoto de 10 anos que vai, pela primeira vez, à escola. Acontece que Auggie nasceu com uma rara síndrome genética, o que lhe causou uma deformidade facial. Isso fez com que o garoto passasse por diversas cirurgias e complicações médicas durante a infância.

Agora, porém, seu grande desafio será enfrentar uma escola de verdade. Além de ser um aluno novo no meio do quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos.

"Não vou descrever minha aparência. Não importa o que você esteja pensando, porque provavelmente é pior"


A história de Extraordinário é narrada em primeira pessoa, mas com diversos pontos de vista. O livro é dividido em várias partes e conta a história sob o ângulo de 6 personagens, o que eu gostei muito. Uma das minhas partes favoritas, por exemplo, é a da Via, a irmã do Auggie.

A escrita da R. J. Palacio é bem leve e envolvente, com diálogos curtos e sacadas engraçadas. Dá para ler o livro todo em bem pouco tempo (mas talvez você tenha que parar algumas vezes, como eu, para enxugar as lágrimas).

“Se eu encontrasse uma lâmpada mágica e pudesse fazer um desejo, pediria para ter um rosto comum, em que ninguém nunca prestasse atenção”.



Fica aqui a minha sugestão: Extraordinário, da autora R. J. Palacio, publicado no Brasil pela Editora Intrínseca.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …