Pular para o conteúdo principal

Já é 23

Quando eu saí de casa, aos 19, o mundo parecia infinito e assustador.

Sair do interior pra morar na capital, deixar a casa dos pais, o colo dos amigos de infância. Tudo isso pra entrar em um metrô lotado na Sé às 8 da manhã sem saber bem pra onde ir e na primeira baldeação já ter vontade de pegar um táxi e voltar pra casa. 

Aliás, desde que fui embora tenho procurado meu caminho sem muita certeza se eu tô na direção certa. Aí a gente só vai, sabe? A gente vai ao supermercado e enche a cesta de miojo porque tem medo de fazer feijão na panela de pressão. Colocamos a roupa pra lavar e esquecemos de colocar o sabão em pó, a gente descobre que a cama não se faz sozinha e a louça, meus queridos, fica na pia enquanto você não lava. 

O principal é descobrir que o que importa é ir. É buscar algo maior, melhor, que talvez seja sempre desconhecido. Porque quanto mais a gente vai, menos a gente sabe. E por incrível que pareça, quanto menos a gente sabe, mais a gente descobre que precisa continuar indo. 

Por mais que sair da zona de conforto seja algo que dói, e muito!, é preciso estourar a bolha pra ver o mundo lá fora com todas as cores, não só as que a gente já enxerga. E usar todas elas pra pintar nossa tela, que pode ainda estar em branco ou já ter alguns resquícios de cor, não importa. 

Não tem problema se no meio do caminho você sentar no chão do metrô e ligar pra sua mãe chorando, querendo colo. É normal correr pro banheiro com lágrimas nos olhos quando o primeiro chefe te dá um esporro. Tudo bem se você comer a comida direto da panela pra não sujar prato, a gente não conta pra ninguém. E também fica só entre nós aquela semana que você sobreviveu de Cheetos e Coca-Cola porque a grana tava curta. 

No final das contas, o mundo é sempre mais do que a gente pode ver e o tempo passa muito rápido quando a gente tenta desvendá-lo. Mas vale cada minuto, porque quanto mais a gente conhece do mundo, mais infinito a gente se torna. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…