Pular para o conteúdo principal

Esta é uma carta de amor (ainda que pareça que não)


Amanhã você vai acordar na mesma cama que a gente dividiu por anos e eu não vou estar lá. Vai doer – eu sei disso porque vai doer em mim também, seja lá em que cama de hotel eu resolva me enfiar. A gente vai sentir falta das manhãs todas que compartilhou, daquele olhar que a gente se dava antes de levantar e da cumplicidade das segundas-feiras, quando a gente buscava força um no outro pra começar o dia.

É triste quando um amor acaba.

Seus pais não vão entender. Os meus também não. Nossos amigos talvez nem saibam direito como agir – quem deve continuar amigo de quem?, como vão ser os nossos jantares agora?, como saber quem tá errado ou quem tá certo?.

Talvez eu seja a errada – sou eu que tô indo e essa é a sensação que as pessoas que vão sempre deixam, não é? Tudo bem, eu aguento o tranco. Por mais que eu saiba, dentro de mim, que eu só fui a primeira a ter coragem. Você sabe tanto quanto eu: nosso amor não acabou da noite pro dia.

Pode parecer que não, mas eu continuo te desejando todas as coisas boas que te desejava no início do nosso relacionamento. Eu ainda guardo um carinho gigantesco por você e me sinto agradecida por tudo que aprendi ao seu lado. E eu ainda te amo. Não daquele jeito de antes, não da forma intensa e louca do início, nem de uma maneira em que eu ainda pudesse ficar com você.

Mas, de algum jeito que eu não sei explicar ao certo, eu ainda te amo. Eu só preciso ir.

Eu preciso ir porque eu não quero que a nossa história acabe repleta de mágoas e frases que a gente não queria ter dito. Não quero olhar pra trás e me arrepender de ter te magoado em um desses fins feios que acontecem quando a gente prolonga demais o que já acabou. E a gente acabou, querido. Você sabe disso.

Talvez seja mais difícil no começo – para mim e para você – porque é difícil se acostumar com a ausência. Eu vou sentir falta da sua risada (acho que vai ser a minha maior saudade). Eu queria poder dizer que, um dia, a gente se reencontra. Mas talvez isso não aconteça. Talvez você siga a sua vida e eu a minha, porque é assim que é.

Mas não esquece isso: eu amei você. E eu tô indo embora justamente porque eu ainda quero guardar o tiquinho de amor que restou.

Por isso, meu bem, guarda esta carta com você. 
Parece que não, mas é uma carta de amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …