Pular para o conteúdo principal

Tão triste não te conhecer mais


"Foram tantas brincadeiras, tantas conversas, tantas risadas e olhe agora. Nem conversamos mais"
(Autor Desconhecido - se souber, por favor deixa nos comentários)

“Hoje a gente nem se fala, mas a festa continua”
(Chico Buarque)


Então é isso. Soube que você vai se casar por uma amiga em comum, em uma conversa no meio do shopping. Ela comentou como se eu soubesse, porque eu sempre sabia (de tudo, lembra?). Eu sorri. Era o que me restava fazer. Um desses sorrisos amarelos que a gente dá quando o mundo tá acabando por dentro, mas não quer demonstrar. Eu respondi só que eu estava muito feliz por você - e isso foi verdade, essa foi a minha primeira reação. Depois, eu fiquei triste. Fiquei triste pela gente

Eu ainda lembro de um tempo em que eu chegava antes de você no restaurante e ia adiantando o seu pedido pro garçom, porque eu já sabia o que você ia escolher. Não que você fosse previsível, você nunca foi. Mas é que era você e eu te conhecia. Quando você chegava, eu não precisava te olhar nem dez segundos pra saber se aquele era um dia bom ou um dia de merda. Eu sacava na hora - porque eu sabia te ler. 

Eu soube de muitas coisas em todos aqueles anos. Eu soube das brigas de família, dos seus sonhos e das suas decepções. Dos seus corações-partidos, dos pés-na-bunda que você levava e dos caras que não te animavam na cama. Eu soube detalhes dos seus ex-namorados que eu nem queria, de verdade, saber. Eu sabia de tudo, e você sempre soube de mim. 

Eu vivia na sua casa e sua mãe dizia que eu era a irmã que você não teve. A gente dividiu a mesma cama dezenas de vezes nas férias. Dividiu as mesmas viagens, os mesmos amigos, os mesmos caminhos. Os segredos, as piadas internas e aqueles conselhos que eram sempre muito bons, mas que a gente nunca soube seguir. Era tudo nosso: ninguém precisava entender, porque a gente entendia. 

A gente tava sempre lá - nos aniversários, nas festas de formatura, nas comemorações, nos velórios. Sempre a gente. Eu e você e, só depois, todo o resto. 

Não é que eu não sabia que essas coisas acontecem. Eu sabia, sempre soube. E até notei acontecendo com a gente, só não quis ver. As ligações que pararam, as mensagens mais escassas, o seu novo namorado que eu só sabia o nome, o meu novo namorado que você nunca chegou a conhecer. Acontece, não acontece? A gente divide um mundo todo por anos e, de repente, acabou

Acontece. Acontece, sim, eu sei. Mas é que era a gente, sabe? Logo a gente.
E eu pensei, de um jeito meio iludido talvez, que a gente era diferente.



Vamos ter blogagem coletiva de novo - finalmente! O tema dessa vez é: pessoas que a gente conhecia tão bem e hoje não conhece mais.Tem algo para escrever? Pode ser sobre amor, amizade, família...o que você quiser. Posta sobre o tema no seu blog com a indicação no fim de que está fazendo parte da blogagem coletiva do Isso não é um diário. Depois, posta o link do post nos comentários desse post até o dia 25/09

Nós vamos escolher um texto para publicar aqui e os outros também serão devidamente linkados e compartilhados com os leitores, assim todo mundo pode ler o que foi escrito por vocês. 

Legal, né? Então corre pra mandar a sua versão do tema.

Comentários

  1. Oi Karine, adorei a ideia de fazer a blogagem coletiva, e o tema "pessoas que a gente conhecia tão bem e hoje não conhece mais" me deu vontade de escrever sobre muitas coisas. Postei lá blog, espero que goste <3 http://www.luaintensa.com.br/2016/09/eu-me-apaixonei-por-um-personagem.html

    ResponderExcluir
  2. Yei, que bom que tá participando! <3

    ResponderExcluir
  3. Karine, adorei a ideia.
    Já fiz o meu.

    Beijos.
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/2016/09/tudo-mudou-desse-lado-ai.html

    ResponderExcluir
  4. Mart Reff, opa! Já salvei o link aqui para ler! <3

    ResponderExcluir
  5. AI EU AMEI ESSE TEMA! Amo teus textos e me identifico com todos.

    http://vitgarre.wixsite.com/tudoquevocedeixou/single-post/2016/09/22/Voc%C3%AA-era-pra-mim-algo-insubstitu%C3%ADvel Essa é a minha versão, espero que goste. Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Ah que saudade que eu estava de conseguir escrever! Já participei de uma blogagem coletiva com vc, quando tinha um outro blog... agora tenho um com uma amiga, e estamos voltando com essa categoria de crônicas e opinião porque foi assim que começamos. Inaugurando com o texto para participar aqui, obrigada por acolher a ideia ;)
    Segue o link: http://asvizinhasdo95.blogspot.com.br/2016/09/o-que-eu-nunca-falei-pra-voce.html

    ResponderExcluir
  7. Esse texto...uau!!! me roubou completamente o ar por uns poucos segundos! Absurdamente incrível!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …