Pular para o conteúdo principal

Menina: se doa

Chora, menina. Não sufoca essa dor não. Não engula sem querer pra ficar passando mal em silêncio depois. Não finja que tá tudo bem. Se deixa doer, se deixa curar. Ah, menina, os tempos são imediatos, eu sei, ninguém tem muito saco pra quem sai por aí sem maquiar o machucado. Mas não coloca corretivo em cima do seu sentimento, não joga base e uma sombra bonita pra disfarçar. Não pague tão caro para fingir. Vai por mim: isso só vai inflamar.

Menina, escuta o conselho que te dou de graça. Quando a dor vier, deixa doer. Coloca um blues lento. Pega um cigarro. Sei, você não fuma? Toma um vinho. Não gosta de bebida alcóolica? Toma um café. Desses fortes, desses amargos, desses que faz o estômago revirar e a cabeça sair do lugar, sabe? Mas se deixe sangrar.

Toma um banho demorado e deixa a água levar de você todo esse peso nas costas, essa dor no peito, essa sangria desatada. Se chover, é aquela história, deixa molhar. Não se esconda debaixo do guarda-chuva. Não espera a pancada passar. Aceita: de vez em quando a gente tem que cair pra lembrar como é que faz pra levantar.

Ei, menina, vai por mim. Eu sei que dói. Eu sei que machuca. Eu sei que a maioria das pessoas não tem tempo para ouvir o que você quer dizer. Então arranje um tempo para você. Não fuja disso como as outras pessoas fogem. Não finja como os outros fingem. É dos seus sentimentos que estamos falando. É com você essa conversa. Quando a dor vier, se doa. É isso, menina: não deixe de se doar, seja para o que for – da dor ao amor.

Não seja tão adulta. Não seja tão atriz. Não seja tão forte o tempo todo. Se lembra da criança que existe e persiste dentro de você. Aquela criança que quando caía, abria a boca sem medo, sem vergonha, sem maquiagem nenhuma para chorar, por qualquer que fosse o machucado. E depois levantava e voltava para a mesma brincadeira, sem medo nenhum de cair.

Não tenha medo, menina. Se tá difícil, é só lembrar: um passo de cada vez. Lembrando sempre que um passo feliz, já dizia aquela musiquinha antiga, vale por três. Mas um passo triste não é andar para trás: o amor pode até ser a nossa negação da morte, mas o que mostra que estamos vivos, que ainda nos importamos, que há algo mais em nós, é a dor. Então, se doer, menina, deixa-se doar.


Comentários

  1. Texto incrível de uma escritora talentosíssima!!! Parabéns Fernanda!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …