Pular para o conteúdo principal

Eu não te conheço mais

Quando eu ouso responder a mim mesma à pergunta que (quase) sempre faço, eu chego invariavelmente à mesma conclusão: não sinto mais dor.

Realmente, paro aqui para pensar e não consigo mais me dizer (ou  qualquer outra pessoa menos parcial) quais são suas qualidades e nem mesmo os seus defeitos.

Talvez, seja porque eu não te conheço mais.
Talvez, eu esteja usando o talvez apenas por ainda me lembrar que existiu um passado, uma grande história, uma forte parceria. E dessas coisas eu ainda não me esqueci.

Fui parando de te conhecer no dia em que te conheci. Eu não me lembro – e você também não, sempre contamos essa parte da nossa história como algo engraçado – de como nos tornamos amigas. Talvez, isso tenha sido fatídico. Olha eu aí usando o talvez de novo.

Se o acaso nos uniu, posso ter certeza de que quem nos separou foi ele também, além de nós mesmas. Sinto que inconscientemente nos esforçamos para isso. Foi proximidade demais, intimidade demais, segredos demais, momentos demais, competições demais, pessoas em comum demais. Foram muitas repetições. Foram muitas coisas iguais. Tudo em demasia, tudo em um exagero que foi fatal. Paft! Em um simples queda, desmoronamos ao ponto de inexistir vontade de se reerguer.

Não tivemos espaço para existirmos sem a outra. Eu dominei seu lugar de fala, e você se apoderou da minha presença.

Estive sempre do seu lado. Você esteve sempre do meu. Mas, você esteve do meu lado quando eu não merecia que você estivesse, e vice-versa. Fomos demais uma para outra e nos matamos assim, com todos os excessos.

Tudo o que é demais também mata.

Minha teimosia nos matou. Sua infantilidade nos liquidou.

Não vejo outro caminho. Não tenho mais vontade. Não sinto mais sua falta. Não fico mais triste por não te querer mais na minha agenda.

Foi acabando, minguando. De certa forma, pedimos, sem saber, por isso.

Eu não te conheço mais. Não sei o que fazes, não sei que sentes, não sei o que usas, não sei o que pensas, não sei que queres.

Eu não te conheço mais apesar de ter crescido ao seu lado, de ter passado tão bons momentos juntas.

Eu não te conheço mais. E você também não me conhece mais.

*Texto da Nívia Côrrea postado no Dramas e Vírgulas, que participou da última blogagem coletiva do blog. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …