Pular para o conteúdo principal

O agora é subestimado

Talvez seja a ocasião, mas, ultimamente, metade das conversas que tenho em algum momento chegam ao mesmo lugar: quais são meus próximos passos. Caramba... Eu não sei. Eu não sei o que vou fazer amanhã, semana que vem, ou, nos anos seguintes. Eu não sei! Frequentemente acontece de eu estar tão exausta que sequer consigo vislumbrar os próximos minutos. É como estar de volta à adolescência: uma criaturinha assustada sem saber o que fazer a seguir. E às vezes me pergunto se chegamos mesmo a descobrir... As coisas mudam com tanta frequência que tenho sorte se consigo acompanhar.

Eu, especialmente, tenho mudado tanto. Nos últimos meses, vivi tantas coisas que eu sequer havia imaginado que só o fato de eu manter minha sanidade (quase) intacta já me parece o bastante por agora. E o agora é sempre tão subestimado.

Tudo parece uma corrida. Uma história superficial em que cada momento é vivido em expectativa por algo que ainda não aconteceu; em que só o que existe é isso: expectativa. E às vezes nem é por tanta coisa assim. É só essa ideia de que a próxima pessoa, o próximo emprego, o próximo-seja-lá-o-que-for deve ser melhor. É um ciclo vicioso, me arrisco a dizer. E me mata lentamente.


Ao menos uma vez eu quero me deixar vivenciar exatamente este momento. Este bem aqui. Sem preocupações com o almoço de amanhã, o que farei quando acabar a faculdade ou o livro que comprei há semanas e ainda nem cheguei à metade. Minha vida já é estranha o bastante sem que eu precise adicionar uma dose extra de ansiedade. Eu só preciso estar viva. O restante eu descubro no caminho. Eu nunca lidei bem com roteiros, de qualquer forma.

* * *

O motivo da minha ausência por aqui é este: eu estava escrevendo um livro sobre a violência contra a mulher. Caso se interessem, ele está disponível para download neste link aqui: http://wp.me/p6p8qn-1vo.

Comentários

  1. Li dois textos desse blog e estou apaixonada <3 é tão bom encontrar um lugar com gente que escreve tão bem *--*
    Beijoo
    http://dementelucidez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …