Pular para o conteúdo principal

Precisamos Falar Sobre A Depressão

Eu tenho depressão.

Talvez você diga que não é verdade, pelas piadas idiotas que compartilho nas redes sociais; porque há sempre foto de mim sorrindo no instagram; porque tudo parece perfeito visto atrás de uma tela. É que os filtros das redes sociais são melhores que a maquiagem para dias ruins, e tampam tudo, sabe, e melhoram tudo.

Talvez você diga que é exagero. Porque continuo fazendo tudo o que fazia antes; porque minhas notas não caíram; porque eu não desisti de nenhum plano que tinha antes desse fantasma se apoderar de mim. Porque ainda continuo no trabalho. Mas só eu sei que desisto todos os dias de uma parte de mim para continuar no caminho, a energia que é muito maior para dar um passo do que eu usava para caminhar por um quilômetro sorrindo.

Eu tenho depressão.

Talvez você se assuste, porque aparentemente eu tenho uma vida perfeita. Porque meu relacionamento amoroso é bom e meu namorado está sempre ao meu lado. Porque tenho poucos amigos, mas sei que posso contar por eles. Talvez você diga que eu só estou fazendo drama, porque me viu naquela festa, porque me viu com aquele copo de cerveja na mão, porque me viu rindo e dizendo que estava feliz.

É que você não entende.

A depressão é silenciosa, é escura, fica por baixo de todas as mentiras emocionais que a gente conta para continuar os dias. Fica no escuro do quarto, quando a gente não consegue dormir. Fica no ódio ao sol pela manhã, que nos avisa que está na hora de acordar. Fica por trás das bebidas, das risadas, dos bons dias que a gente eventualmente tem e se agarra a eles com força para não desistir. A depressão é um fantasma que não aparece para você, mas que não some de mim.

É o que faz tudo parecer mais difícil, mais cinza, mais lento. A gente se arrasta para não poder desistir. E se sente culpada por carregar nesse sintoma pessoas que não tem nada a ver com isso. É mais do que aquela tristeza que vez ou outra aparece em nossas vidas, mas é aquela tristeza de sempre, mesmo quando a gente consegue uma conquista.

Eu tenho depressão.

Talvez você diga que é coisa de gente mimada, que é coisa de gente com tempo, que é coisa de gente que não sabe o que é sofrer na vida. Ou talvez você tenha depressão também e esteja, como eu, me escondendo atrás de filtros, atrás de fotos, atrás de risadas que prolongamos mais tempo só para não sentir aquela sensação horrível quando ela acaba. Talvez esteja difícil para você também. E talvez você esteja se sentindo tão sozinha quanto eu.

E é para você esse meu texto.

Aprendi a dar um passo de cada vez. Aprendi a sentar, quando não conseguir, sem me sentir (tão) culpada por não chegar lá no tempo que programei. Aprendi a não contar tantas mentiras emocionais para dizer que estou bem, mas também aprendi que para algumas pessoas não vale a pena se abrir. Aprendi muita coisa e queria te dizer algumas também:

Tá tudo bem você não ter conseguido ontem. Tá tudo bem você não ter conseguido hoje. Tá tudo bem que amanhã será difícil. Ok? Tá tudo bem. O importante de tudo é que você continue tentando, quando tiver forças para continuar. E quando não tiver, tá tudo bem, ok? Chama alguém pra conversar. Vai ver um filme. Se enrola na sua cama e abraça seu travesseiro. Chora baixinho pra ninguém ouvir. Ou liga para a pessoa que você mais confia em sua vida. Eu sei que a depressão nos faz sentir mais solitários do que já somos, mas você não está sozinho.

Não escute quem só quer te criticar e dizer que é frescura sua. Só a gente sabe o que sentimos. Deixa a crítica de lado e escuta aqui, o conselho que a depressão me deu: tá tudo bem, ok? Mesmo quando parece que tá tudo mal, vai ficar bem. Vamos caminhar juntos, um passo de cada vez, em silêncio, devagar a gente chega. E se não chegar, tá tudo bem, tá?

Vamos ser felizes em nossos ritmos. E deixa o resto do mundo rodar.



Comentários

  1. Eu só quero dizer que me vi em cada linha. Que é insuportável guardar tanta coisa dentro de si e ainda sim conseguir sorrir.
    O que se passa dentro de nós é maior do que qualquer coisa que possam imaginar.

    Beijo no seu coração.
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …