Pular para o conteúdo principal

Não trocaria minhas saudades por nada


Houve um tempo em que eu odiava sentir saudade. Puta sentimento doído, né?, eu pensava. Puta dor desnecessária que aparece quando a gente menos espera, numa quinta à tarde, quando a gente olha sem querer a foto de uma lembrança antiga. Sentir saudade pra quê?

O negócio dói mesmo, é verdade. Saudade é daquelas dores que pegam de jeito, que nem soco no queixo que deixa a gente tonto no final da luta. 

Mas, pensando bem, sentir saudade é bom. 

Que bom é ter essa certeza bonita de que, em algum lugar do passado, ainda que por poucos segundos, minutos ou dias inteiros, a gente foi feliz. A gente sorriu e riu e ganhou essas memórias alegres que nos invadem às 3 da manhã do dia 30 de dezembro, quando a gente olha pra trás. 

Vem com um buraco no peito, é verdade, e às vezes acaba numas poucas lágrimas ou numa dor de estômago ou numa pontada aguda no peito, mas, preciso ser sincera: não trocaria minhas saudades por nada.

Porque, se o contrário da saudade louca é o arrependimento de não ter me arriscado, de não ter ido quando quis ir, de não ter voltado quando precisei. Se o contrário de sentir falta de tudo o que vivi é não ter vivido, de fato, nada do que quis, de que me adianta? De que me adianta não vivenciar esses vazios sinceros que a gente sente quando lembra de um amigo, de um ano específico, de um país do outro lado do mundo? 

Então, que eu sinta saudade. Saudades loucas, doídas, sinceras. Que, às vezes, passe um dia inteiro nostálgica, pensando em tudo que passou e não volta mais. Porque prefiro isso a não sentir falta de nada. Ou de ninguém. 

Comentários

  1. Lindo texto, Karine.

    Espero que seu ano de 2017 seja lindo, cheio de conquistas, saúde, alegrias e muito amor.

    Beijo da sua fiel leitora.
    MR

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…