8 de março de 2017

Coisas Que Queria Dizer A Você



Esse texto é para você, que por um acaso pode ter sentido falta de mim nesses últimos tempos. Esse texto é para dizer que eu senti falta de você também.

Eu sei que você vai dizer que não – e tá tudo bem, sabe? Porque também sei que fui eu que sumi. Eu que fui deixando suas ligações de lado. Fui eu que não respondi as mensagens assim que elas chegaram. Fui deixando para depois, e quando o depois chegou já não fazia mais sentido te responder.

Mas eu quis. Eu pensei em você quando a dor bateu forte demais. Eu pensei em te ligar quando estava desesperada. Eu quis chorar no seu ombro ao invés de tentar me afogar debaixo do chuveiro. Eu digitei e apaguei e digitei e apaguei diversas mensagens que você nunca leu, porque nunca mandei. É que eu não quis incomodar, cê entende? É que eu não quis cansar você com meu medo, é que eu não quis que você se cansasse de mim e fosse embora.

Esse texto é para você – que talvez esteja se perguntando como foi que nos afastamos tanto, depois de tantas conversas, brincadeiras, risadas e a mão estendida para amparar o outro lado. Esse texto é para você que, por meu silêncio, talvez se pergunte se fomos real. É para dizer que sim, nós fomos. E sim, eu queria que ainda fossemos. Mas eu não consegui segurar a onda, me manter no lugar, te prender aqui enquanto a força me carregava correnteza abaixo.

Esse texto é para você – para eu dizer que às vezes a gente não se afasta por falta de tempo. Até porque, cê sabe, eu sempre fui do partido de que falta de tempo não é desculpa para deixar de falar – e não foi com a gente. Às vezes falta muitas outras coisas, é verdade, mas também não foi falta de alguma coisa que você não ofereceu. Foi falta minha – falta de coragem, falta de energia, falta de querer, também, porque as vezes a gente não quer. E relação é isso – relação é não ter obrigação de nada. E eu nunca quis obrigar a você.

Mas queria te dizer isso: queria te dizer que tá tudo bem, eu te desculpo por não entender. Nem eu mesmo entendo, e tá tudo bem. Você pode achar que é muito fácil digitar uma mensagem – mas às vezes não é. Não são só palavras, não são só frases, não são só dizer que eu ainda estou aqui. É claro que estou. E vou estar ainda, mesmo se você não quiser mais. Mas é muito mais do que isso – é um mundo de coisas, de sentimento, de pressão, de medo, de culpa, de desespero, de desamor, de tudo isso junto, que a gente fica sufocada e não consegue falar.

Então eu tô aqui falando. Tô aqui dizendo que não foi você, não foi eu, não foi a falta de tempo – foi a vida. Foi a dor. Foi eu tentando inutilmente te proteger do que me atacava. Foi por amor – e eu sei, é louco, mas amor não é isso? Amor não é tentar proteger o outro?

Eu tentei. E é por isso que te perdi – porque proteção demais sufoca, mata, desaba os alicerces e leva embora sem restar nada além de silêncio, de dor, de perguntas sem respostas, de lembranças descoloridas perdidas no meio das lágrimas. E esse texto é para quebrar essa barreira que ficou entre a gente – é para dizer que sim, eu ainda existo; sim, eu ainda sei que você existe; e, sim, eu ainda estou aqui. 

Talvez eu continue em silêncio. Talvez você não queira me ouvir. Mas tudo bem – vou ficar bem. E quero que você fique também.




Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. oi, obrigada por isso.
    obrigada por traduzir meus sentimentos.

    ResponderExcluir

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)