Pular para o conteúdo principal

Coisas Que Queria Dizer A Você



Esse texto é para você, que por um acaso pode ter sentido falta de mim nesses últimos tempos. Esse texto é para dizer que eu senti falta de você também.

Eu sei que você vai dizer que não – e tá tudo bem, sabe? Porque também sei que fui eu que sumi. Eu que fui deixando suas ligações de lado. Fui eu que não respondi as mensagens assim que elas chegaram. Fui deixando para depois, e quando o depois chegou já não fazia mais sentido te responder.

Mas eu quis. Eu pensei em você quando a dor bateu forte demais. Eu pensei em te ligar quando estava desesperada. Eu quis chorar no seu ombro ao invés de tentar me afogar debaixo do chuveiro. Eu digitei e apaguei e digitei e apaguei diversas mensagens que você nunca leu, porque nunca mandei. É que eu não quis incomodar, cê entende? É que eu não quis cansar você com meu medo, é que eu não quis que você se cansasse de mim e fosse embora.

Esse texto é para você – que talvez esteja se perguntando como foi que nos afastamos tanto, depois de tantas conversas, brincadeiras, risadas e a mão estendida para amparar o outro lado. Esse texto é para você que, por meu silêncio, talvez se pergunte se fomos real. É para dizer que sim, nós fomos. E sim, eu queria que ainda fossemos. Mas eu não consegui segurar a onda, me manter no lugar, te prender aqui enquanto a força me carregava correnteza abaixo.

Esse texto é para você – para eu dizer que às vezes a gente não se afasta por falta de tempo. Até porque, cê sabe, eu sempre fui do partido de que falta de tempo não é desculpa para deixar de falar – e não foi com a gente. Às vezes falta muitas outras coisas, é verdade, mas também não foi falta de alguma coisa que você não ofereceu. Foi falta minha – falta de coragem, falta de energia, falta de querer, também, porque as vezes a gente não quer. E relação é isso – relação é não ter obrigação de nada. E eu nunca quis obrigar a você.

Mas queria te dizer isso: queria te dizer que tá tudo bem, eu te desculpo por não entender. Nem eu mesmo entendo, e tá tudo bem. Você pode achar que é muito fácil digitar uma mensagem – mas às vezes não é. Não são só palavras, não são só frases, não são só dizer que eu ainda estou aqui. É claro que estou. E vou estar ainda, mesmo se você não quiser mais. Mas é muito mais do que isso – é um mundo de coisas, de sentimento, de pressão, de medo, de culpa, de desespero, de desamor, de tudo isso junto, que a gente fica sufocada e não consegue falar.

Então eu tô aqui falando. Tô aqui dizendo que não foi você, não foi eu, não foi a falta de tempo – foi a vida. Foi a dor. Foi eu tentando inutilmente te proteger do que me atacava. Foi por amor – e eu sei, é louco, mas amor não é isso? Amor não é tentar proteger o outro?

Eu tentei. E é por isso que te perdi – porque proteção demais sufoca, mata, desaba os alicerces e leva embora sem restar nada além de silêncio, de dor, de perguntas sem respostas, de lembranças descoloridas perdidas no meio das lágrimas. E esse texto é para quebrar essa barreira que ficou entre a gente – é para dizer que sim, eu ainda existo; sim, eu ainda sei que você existe; e, sim, eu ainda estou aqui. 

Talvez eu continue em silêncio. Talvez você não queira me ouvir. Mas tudo bem – vou ficar bem. E quero que você fique também.


Comentários

  1. oi, obrigada por isso.
    obrigada por traduzir meus sentimentos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …