Pular para o conteúdo principal

SOBRE MIM


Não gosto de escrever autobiografias. Nunca sei o que falar, como me apresentar, o que é interessante dizer. Normalmente, para ter alguma ideia, olho o perfil de outras pessoas em outros sites, blogs, jornais. Gente sempre muitíssimo interessante. Ótimos profissionais, inovadores, empreendedores, criativos. Galera de sucesso mesmo. E aí penso no que eu deveria colocar na minha autobiografia. E travo.

Apresentar-se aos leitores é mais ou menos como se apresentar para um pretendente. Você não quer que, de cara, ele já saiba todos os seus defeitos. Aquelas manias chatas ou os motivos pelos quais você acabou aquele seu último namoro. Melhor falar das coisas legais que você já fez: as viagens fascinantes, os prêmios que ganhou durante a faculdade, os cursos que concluiu. Deixa para depois as neuras, as inseguranças, as chatices de domingo à tarde.

Para você me admirar, te conto minhas vitórias. Os meus pódios, as minhas medalhas. As cicatrizes escondo com a maquiagem importada que trouxe de Paris. E com os sorrisos que aprendi a dar nas aulas de teatro. O suor que escorre do meu rosto todos os dias, enxugo correndo para você não notar. Fica aí achando que minha vida é fácil, leve e divertida o tempo inteiro.

Acredite também que eu sou a melhor profissional da minha área. Sou eu que tenho as ideias mais legais, os projetos mais sensacionais e as sacadas mais interessantes. Não fiquei rica ainda, é claro, porque o mundo não enxergou todo o meu potencial.

Basicamente, escrever uma autobiografia é quase sempre ressaltar o nosso melhor. Coisa que, como você pode ver, eu não fiz por aqui. Enrolei, enrolei e não falei porcaria nenhuma. Mas pelo menos você já ficou sabendo duas coisas sobre mim: não me exponho fácil e escrevo sobre tudo. Às vezes até sobre o nada. 


No twitter, eu sou @kahrosa
No Instagram, é @kahrosawho
E você encontra a página do Isso Não É um Diário no Facebook aqui

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…